1943

Cultura Política: revista mensal de estudos brasileiros

O Brasil na Guerra

Vol. 3

UT Libraries 2008

UCLA Library 2010

  • p. 289

Os Museus e as Artes Plásticas

… utilizando o artista para a luta anti-nazi-fascista, com o concurso de muitos pintores desenhistas e caricaturistas e de vários escritores, que fizeram conferências.

Falando sobre A Arte na Defesa do Brasil, afirmou Cláudio Manuel da Costa: A destruição do arrogante Afrika Korps, o avanço dos russos, as vitórias do Pacífico, tudo isto deve ser para cada artista uma vitória de sua arte, se sua arte for progressista e visar um ideal de livre exame e de livre expressão. As tarefas imediatas para qualquer artista de qualquer arte são as de uma luta sem tréguas, tanto no  plano objetivo como no subjetivo. Várias outras palestras foram realizadas durante a Feira de Arte Moderna. Sobre temas de guerra foram, feitas diversas telas, trazendo ao público uma comovida mensagem de artistas, diante do sofrimento existente no mundo e da ameaça à cultura e ao pensamento, representada pela fascismo. Entre elas, as de Lazar Segall, expostas no Museu Nacional de Belas-Artes, com pleno sucesso, e as de Maria Helena Vieira da Silva. Na colaboração dos artistas à guerra pela democracia, é preciso destacar os trabalhos de Augusto Rodrigues. Realizou ele há poucas semanas uma conferência sobre a posição do artista diante da guerra, conferência que a imprensa assim comentou: Realizou o caricaturista Augusto Rodrigues uma conferência sobre O artista em face da guerra. Mostrou o conferencista a importância da caricatura como arma do combate político e o papel que os comentadores gráficos estão desempenhando na propaganda da causa democrática.

O conhecido artista, que tem colaborado em nosso esforço de guerra, no sector da preparação ideológica, como autor de “charges” de sucesso, publicadas na imprensa, de cartazes para as campanhas patrióticas, ilustrou sua conferência com uma série de projeções luminosas, na qual exibiu trabalhos de feição politica dos melhores caricaturistas, desde Angelo Agostini até os atuais, J. Carlos, Nássara, Belmonte e de sua própria autoria, encerrando a exibição com uma reprodução do célebre quadro de Picasso sobre o bárbaro bombardeio de Guernica, na Espanha, pelos nazistas. Em meados de julho deste ano a União Nacional dos Estudantes promoveu uma mesa redonda sobre as relações entre a pintura e a presente guerra, na qual tomaram parte Osvaldo Goeldi, Campofiorito, Augusto Rodrigues, Rocha Miranda, Reis Júnior e Carlos Scliar.

1944

UT Libraries 2008

Vol. 4

  • p. 124

Ilustrações de Kalisto, J. Carlos e outros ornam os dois alentados volumes, enriquecidos também, com muitas fotografias.