1940

Silveira Peixoto

UT Libraries 2008

UW – Madison Libraries 2010

  • p. 182

Colaborei, ainda, durante quatro anos, na Careta. Além disso, tenho colaborado em Le Rire, de Paris; em Caras y caretas e em Paginas de Columba, de Buenos Aires; no Judge, de Nova York… — E a sua ida para os Estados Unidos, em 1930… — Falhou, pela mesma razão por que falhara a minha ida para o Rio, em 1922. Nesta ocasião, em 1922, recebi, certa vez, uma carta de Storni.

Comunicava-me o grande caricaturista que o velho Schmidt, diretor da “Careta”, precisava de mim, no Rio, pois o mestre de todos nós, J. Carlos, havia deixado a revista e esta precisava de um substituto. J. Carlos era insubstituível. Mas, como eu tinha, então, pouco mais de vinte anos, resolvi embarcar para o Rio. Conversei com o velho Schmidt, que já me havia reservado aposento num hotel, por uma semana, para que pudesse ambientar-me… — E você? — Fazia um calor medonho. A coisa passou-se em janeiro. E quando, no dia seguinte, à hora do almoço, o Schmidt procurou-me no hotel… Eu já estava em São Paulo. Zarpara, na véspera, pelo noturno. — Mas o caso de Nova York… — Foi uma consequência disso. O John Elms, um dos diretores da Metro Goldwyn Mayer, estava em São Paulo e ofereceu-me um contrato de três anos, naquela empresa. Eu ia aceitar… Lembrei-me, porém, de que fôra incapaz de passar uma semana no Rio.  Tremi, à perspectiva de ficar três anos nos Estados Unidos, onde, além do mais, não conseguiria um noturno Central, para dar o fora e regressar a São Paulo.