1963

REVISTA DA ACADEMIA PARAENSE DE LETRAS

IU Libraries 2011

  • p. 51

J . Carlos, estava, então, no apogeu de sua Arte, desfrutando, no país, daquela incomparável popularidade que lhe dera a charge política nas revistas cariocas. Dejard comparou-o _ e com que maestria! _ ao panfletário, ao orador que consegue levantar multidões contra individuos e pontentados, vencendo pela ridicularização dos seus caricaturados. No conjunto dessa peça literária, produziu um dos seus mais soberbos trabalhos de análise crítica.